9 mitos sobre a dieta Low Carb

Há muita desinformação sobre dietas low carb.

Alguns afirmam que é a dieta ideal, enquanto outros consideram uma moda passageira insustentável e potencialmente prejudicial.

Aqui estão 9 mitos mais comuns sobre dietas low carb.


1. É apenas uma “dieta da moda”

O termo “dieta da moda” é usado para dietas de perda de peso que ganham popularidade muito rápido.

Hoje, muitas vezes é mal utilizado para dietas que não têm aceitação cultural comum, incluindo dietas com pouco carboidrato ou low carb (seu termo em inglês).

No entanto, uma alimentação com pouco carboidrato já demonstrou ser eficaz em mais de 20 estudos científicos. Além disso, é popular há décadas.

De fato, o primeiro livro de Atkins foi publicado em 1972, cinco anos antes do primeiro conjunto de diretrizes alimentares com pouca gordura nos Estados Unidos.

Olhando ainda mais para trás, o primeiro livro com baixo teor de carboidratos foi publicado por William Banting em 1863 e era muito popular na época.

Considerando o sucesso a longo prazo e resultados seguros cientificamente comprovados, taxar tal dieta como modismo parece um pouco absurdo.

Se você tem interesse em conhecer uma dieta Low Carb

Clique aqui

2. Difícil de manter

Os opositores costumam afirmar que dietas com pouco carboidrato são insustentáveis porque restringem grupos alimentares comuns.

Diz-se que isso leva a sentimentos de privação, fazendo com que as pessoas abandonem a dieta e recuperem peso. Ainda assim, lembre-se de que todas as dietas restringem algo – alguns grupos alimentares ou macronutrientes, outras calorias.

Foi demonstrado que seguir uma dieta baixa em carboidratos reduz o apetite, para que você possa comer até ficar satisfeito e ainda perder peso.

Por outro lado, em uma dieta restrita em calorias, é menos provável que você coma até estar totalmente satisfeito e acabar com fome o tempo todo – o que é insustentável para a maioria das pessoas.

E finalmente não há evidências científicas de que dietas com pouco carboidrato sejam mais difíceis de manter do que outras dietas.

3. A maior parte do peso perdido vem do peso da água

Seu corpo armazena muito carboidrato nos músculos e no fígado. Ele usa uma forma de armazenamento de glicose conhecida como glicogênio, que fornece glicose ao corpo entre as refeições.

O glicogênio armazenado no fígado e nos músculos tende a prender um pouco de água. Quando você corta carboidratos, suas reservas de glicogênio diminuem e você perde muito peso da água.

Além disso, dietas com pouco carboidrato levam a níveis drasticamente reduzidos de insulina, fazendo com que os rins eliminem excesso de sódio e água. Por esses motivos, dietas com pouco carboidrato levam a uma redução substancial e quase imediata no peso da água.

Isso geralmente é usado como argumento contra a dieta low carb, chegando a afirmarem que essa perda de água é a única razão para perda do peso com a dieta.

No entanto, estudos mostram que dietas com baixo teor de carboidratos também reduzem a gordura corporal – especialmente do fígado e da área abdominal, onde está localizada a gordura prejudicial da barriga.

Por exemplo, um estudo de 6 semanas sobre dietas com pouco carboidrato mostrou que os participantes perderam 3,4 kg de gordura, mas ganharam 1,1 kg de músculo.


Consegui um e-book gratuito com 30 receitas Low Carb para você se animar

É só clicar no link acima e baixar direto do google drive

4. Ruim para o coração

Dietas com pouco carboidrato tendem a ser ricas em colesterol e gordura, incluindo gordura saturada. Por esse motivo, muitas pessoas afirmam que aumentam o colesterol no sangue e aumentam o risco de doenças cardíacas.

No entanto, alguns estudos sugerem que nem o colesterol na dieta nem a gordura saturada têm efeito significativo sobre o risco de doenças cardíacas.

Mais importante ainda, dietas com pouco carboidrato podem melhorar muitos fatores de risco importantes para doenças cardíacas:

  • Diminuição significativa dos triglicerídeos no sangue
  • Aumento do colesterol HDL (bom)
  • Redução da pressão arterial
  • Diminuição da resistência à insulina, que reduz o açúcar no sangue e os níveis de insulina
  • Redução da inflamação (21Trusted Source).

Além disso, os níveis de colesterol LDL (ruim) geralmente não aumentam, e essas partículas tendem a mudar para formas prejudiciais, de pequenas e densas para formas maiores – um processo vinculado a um risco reduzido de doença cardíaca.

Ainda assim, lembre-se de que esses estudos analisam principalmente as médias. Alguns indivíduos podem experimentar grandes aumentos no colesterol LDL (ruim) em uma dieta pobre em carboidratos.

Se esse for o seu caso, você pode ajustar sua maneira de comer com pouco carboidrato para baixar seus níveis.

5. Elas só funcionam porque as pessoas comem menos calorias

Muitas pessoas afirmam que a única razão pela qual as pessoas perdem peso com dietas com pouco carboidrato é devido à redução da ingestão calórica.

Isso é verdade, mas não conta a história toda. A principal vantagem da dieta com baixo teor de carboidratos é a perda de peso que ocorre automaticamente.

As pessoas se sentem tão cheias que acabam comendo menos comida sem contar calorias ou controlar porções. Dietas com baixo teor de carboidratos também tendem a ser ricas em proteínas, o que aumenta o metabolismo, causando um ligeiro aumento no número de calorias que você queima.

Além disso, dietas com pouco carboidrato nem sempre são sobre perda de peso. Eles também são muito eficazes contra certas condições de saúde, como síndrome metabólica, diabetes tipo 2 e epilepsia. Nesses casos, os benefícios à saúde vão além da ingestão reduzida de calorias.

6. Reduzem a ingestão de alimentos vegetais saudáveis

Uma dieta baixa em carboidratos não é sem carboidratos. É um mito que cortar carboidratos significa que você precisa comer menos alimentos vegetais.

De fato, você pode comer grandes quantidades de vegetais, frutas, nozes e sementes sem exceder 50 gramas de carboidratos por dia. Além do mais, comer de 100 a 150 gramas de carboidratos por dia ainda é considerado pobre em carboidratos.

Isso fornece espaço para várias peças de frutas por dia e até pequenas quantidades de amidos saudáveis, como batatas e aveia. É até possível e sustentável comer baixo carboidrato em uma dieta vegetariana ou vegana.

7. A cetose é um estado metabólico perigoso

Há muita confusão sobre cetose. Quando você ingere poucos carboidratos – como menos de 50 gramas por dia – seus níveis de insulina diminuem e muita gordura é liberada pelas células adiposas.

Quando o fígado é inundado com ácidos graxos, ele começa a transformá-los nos chamados corpos cetônicos, ou cetonas. Essas são moléculas que podem atravessar a barreira hematoencefálica, fornecendo energia para o cérebro durante a fome ou quando você não ingere carboidratos.

Muitas pessoas confundem “cetose” e “cetoacidose”. Este último é um estado metabólico perigoso que ocorre principalmente no diabetes tipo 1 não gerenciado. Envolve sua corrente sanguínea sendo inundada com grandes quantidades de cetonas, o suficiente para tornar seu sangue ácido.

A cetoacidose é uma condição muito séria e pode ser fatal. No entanto, isso não tem relação com a cetose causada por uma dieta pobre em carboidratos, que é um estado metabólico saudável.

Por exemplo, a cetose demonstrou ter efeitos terapêuticos na epilepsia e está sendo estudada para o tratamento de câncer e doenças cerebrais como a doença de Alzheimer.

Quer saber o que funcionou para mim? Como comecei minha jornada na reeducação alimentar e perdi peso? Conheça a Dieta de 17 dias

Fiz um post sobre ela aqui

8. Seu cérebro precisa de carboidratos para funcionar

Muitas pessoas acreditam que seu cérebro não pode funcionar sem carboidratos na dieta. Alegam que os carboidratos são o combustível preferido para o seu cérebro e que precisa de cerca de 130 gramas de carboidratos por dia. Isto é parcialmente verdade.

Algumas células do seu cérebro não podem usar qualquer combustível além de carboidratos na forma de glicose. No entanto, outras partes do seu cérebro são perfeitamente capazes de usar cetonas. Se os carboidratos são reduzidos o suficiente para induzir a cetose, grande parte do seu cérebro para de usar glicose e começa a usar cetonas.

Dito isto, mesmo com altos níveis de cetona no sangue, algumas partes do cérebro ainda precisam de glicose. É aqui que uma via metabólica chamada gliconeogênese se torna importante.

Quando você não come carboidratos, seu corpo – principalmente o fígado – pode produzir glicose a partir de proteínas e subprodutos do metabolismo da gordura.

Portanto, por causa da cetose e gliconeogênese, você não precisa de carboidratos na dieta – pelo menos não para alimentar seu cérebro. Após a fase inicial de adaptação, muitas pessoas relatam ter uma função cerebral ainda melhor com uma dieta pobre em carboidratos.

9. Eles destroem o desempenho físico

A maioria dos atletas tem uma dieta rica em carboidratos e muitas pessoas acreditam que os carboidratos são essenciais para o desempenho físico. Reduzir carboidratos realmente leva a um desempenho reduzido no início.

No entanto, isso geralmente é apenas temporário. Pode demorar um pouco para o seu corpo se adaptar à queima de gordura em vez de carboidratos.

Muitos estudos mostram que dietas com pouco carboidrato são boas para o desempenho físico, especialmente exercícios de resistência, desde que você se dedique algumas semanas para se adaptar à dieta. Outros estudos indicam que dietas com pouco carboidrato beneficiam a massa muscular e a força.

Dietas com pouco carboidrato podem ter poderosos benefícios à saúde. Elas são muito eficazes para pessoas com obesidade, síndrome metabólica e diabetes tipo 2.

No entanto, elas não são para todos.

Ainda assim, muitas noções comuns sobre comer pouco carboidrato são simplesmente falsas, levando a uma desinformação geral sobre as dietas low carb.

Fonte: https://www.healthline.com

Siga e curta:

4 thoughts on “9 mitos sobre a dieta Low Carb

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.